>-->

Ditadura militar acabou com prisão em 2ª instância para proteger torturador

By | 16:58 Leave a Comment
A prisão em 2ª instância vigorou no Brasil de 1941 a 1973, quando a ditadura militar obrigou o Congresso Nacional a aprovar a Lei Fleury.
Sérgio Fleury foi um delegado-torturador (todo torturador é covarde), que à época foi condenado por fazer parte do esquadrão da morte. Ou seja, mudou-se a lei para proteger um canalha; agora querem voltar com ela para proteger vários...
Em qualquer país mais ou menos sério, os condenados começam a cumprir suas penas em 2ª instância. Em outros, logo que as sentenças são proferidas pelos juízes.
Aqui, nestes tristes e zoneados trópicos, querem que os corruptos continuem impunes como sempre aconteceu no Brasil. A sociedade brasileira não aceita mais ser saqueada por ladrões de colarinho branco. Coisas assim não têm volta, nem que o crápula Renan Calheiros (14 inquéritos dormitando nas gavetas modorrentas do STF, de onde vem a reação mais forte ao combate aos bandidos de gravata) volte à Presidência do Senado. 


A prisão em 2ª instância vigorou no Brasil de 1941 a 1973, quando a ditadura militar obrigou o Congresso Nacional a aprovar a Lei Fleury. Sérgio Fleury foi um delegado-torturador (todo torturador é covarde), que à época foi condenado por fazer parte do esquadrão da morte. Ou seja, mudou-se a lei para proteger um canalha; agora querem voltar com ela para proteger vários... Em qualquer país mais ou menos sério, os condenados começam a cumprir suas penas em 2ª instância. Em outros, logo que as sentenças são proferidas pelos juízes. Aqui, nestes tristes e zoneados trópicos, querem que os corruptos continuem impunes como sempre aconteceu no Brasil. A sociedade brasileira não aceita mais ser saqueada por ladrões de colarinho branco. Coisas assim não têm volta, nem que o crápula Renan Calheiros (14 inquéritos dormitando nas gavetas modorrentas do STF, de onde vem a reação mais forte ao combate aos bandidos de gravata) volte à Presidência do Senado.
Sérgio Fleury, torturador protegido pela ditadura militar
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários: