>-->

Eu não sabia que solidão de filho doía tanto

By | 09:33 3 comments
Fui duas vezes ao quarto falar com ele.
Vazio...
Uma sensação de vazio...
Terei, bem sei, de me acostumar com a ausência de meu filho.
Eu sei...
Mas dói, a falta.
Sim, nos falamos todo dia ao telefone ou no Facebook.
E daí?
Ele não está aqui resmungando por causa de meu cigarro.
Emburrado com uma derrota de seu Fluminense- traição que só pai perdoa.
Toy, seu irmão que late, todo dia vai ao quarto do Léo sentir sua ausência.
E me olha, como se perguntasse: "Cadê meu irmãozinho?"
Eu não sabia que solidão de filho doía tanto... tanto... tanto...

PS: Publiquei este texto em 12/'11/2012, quando meu filho foi morar em Brasília. Em 2015 fui pra lá e voltamos a morar juntos. Hoje (29/08/2018), ele está indo para Berna, Suíça, onde vai ficar um ano fazendo mestrado. O Toy, o irmão que latia, morreu em 2103. Ah, e parei de fumar também em 2013.
Dizem que a gente cria os filhos para o mundo. Eu não, criei para mim, o mundo que o levou... Seja feliz em sua nova jornada, meu filho querido.

Eu não sabia que solidão de filho doía tanto
                                                                       

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

3 comentários:

  1. Bem, obrigado, Mestre. Fazer o quê?

    ResponderExcluir
  2. Benzinho não se iluda pq a dor da ausência do pai também é sentida com a mesma intensidade. E falo como quem saiu de casa um dia para trabalhar em SP. E lá me via diante da dona saudade que me matava aos poucos com lembranças da minha família tão distantes em terras mineiras.

    E acredite meu querido, nós fazemos um esforço enorme quando ouvimos o pai do outro lado da linha e com dor coração temos que dizer; papai está tudo bem por aqui...

    Emocionada te li...

    Beijos da cristal

    ResponderExcluir